Engenharia de Produção

Engenharia de Produção fora do Brasil

Resultado de imagem para engenharia no exterior

Neste mesmo site certa vez escrevi que o objetivo do Engenheiro de Produção era  “realizar o processo de produção da maneira mais criteriosa e econômica possível”. Talvez essa seja (dentre muitas outras) uma razão pela qual esse profissional é bastante valorizado em todas as partes do planeta.

Em linhas gerais, a mão de obra brasileira em todas as áreas é muito concorrida, o governo da Nova Zelândia, por exemplo, possui um programa exclusivo para contratar brasileiros. A Noruega e o Canadá também possuem boas relações com o Brasil e costumam contratar médicos, engenheiros, enfermeiros e profissionais ligados à tecnologia da informação, entretanto, na lista das 7 profissões mais valorizadas no exterior a Engenharia está no topo com a Engenharia de Produção em destaque.

+ Antes de Embarcar

Existem muitos fatores a se considerar antes de se iniciar ou se transferir para uma Universidade estrangeira. Avaliar itens como formação dos professores, relevância da matriz curricular em relação às demandas do mercado, infraestrutura da instituição, conceitos dos cursos e da faculdade, e documentação necessária é condição sine qua non antes de embarcar nessa aventura!

Alguns diferenciais que podem ser avaliados incluem proximidade a meios de transporte – terminais de ônibus, estações de metrô e trem, também se existem estacionamentos e equipamentos culturais, esportivos e comerciais no entorno, pois isso traz comodidade.

Outro fator importantíssimo é verificar a estrutura do curso de Engenharia de Produção na Universidade de sua escolha, se é uma Universidade mais generalista ou especializada por exemplo.

+ Exemplos de diferentes Estruturas

Chamado de Production ou Manufacturing Engineering no exterior, o curso varia de acordo com o país, instituição e nível de estudo. O Bacharelado de Ciências em Engenharia da Produção da Arizona State University, oferecido pela sua Escola de Engenharia Ira A. Fulton, nos Estados Unidos, tem uma grade curricular bastante prática e com trabalhos em equipe. Os estudantes podem optar por disciplinas mais técnicas e eletivas, como produção de circuitos integrados e programação CNC.

O Bacharelado da University of New South Wales, na Austrália, é uma combinação da Engenharia Mecânica e da Produção. O site oficial da Universidade diz: “Quando nós dizemos que os engenheiros da produção ‘desenvolvem’ produtos, nós literalmente queremos dizer que eles desenvolvem o produto, assim como as máquinas que o criam”. De acordo com o site, o bacharelado envolve “o melhor dos dois mundos”: um diploma em Engenharia Mecânica com uma especialização em Engenharia da Produção, com focos eletivos em tecnologia industrial e automação, finanças e tomadas de decisão, design de processos de produção, design assistido por computação, e fabricação. O curso, de quatro anos de duração, também possui um treinamento prático de 60 dias na indústria.

Já a  Pittsburgh State University lista as seguintes qualidades e características necessárias para escolher a Engenharia de Produção como sua área de estudo:

  • Ter interesse de saber como as coisas funcionam;
  • Ser comunicativo;
  • Ter uma ótima ética de trabalho;
  • Ter aptidão para mecânica;
  • Ter competências nas disciplinas de matemática, ciências, inglês e aplicações de computador;
  • Ter vontade de estudar matérias técnicas.

+ ENEM

Algumas Instituições internacionais aceitam o Exame Nacional do Ensino Médio como forma de ingresso para o seu corpo de alunos. Portugal concentra maior número de opções (mais de 20) mas há também instituições na Inglaterra(Universidade de Oxford e Universidade de Bristol), Irlanda(University College Cork) e no Canadá(Universidade de Toronto).

+ Mercado de Trabalho

O início dos anos de 2010 era promissor para a engenharia no Brasil. Empresas buscavam por profissionais até mesmo em universidades, e os alunos selecionados disputavam altos salários, assim como os profissionais mais experientes. No entanto, o agravamento da crise financeira mudou esse cenário e a partir de 2015 as oportunidades de trabalho na área diminuíram consideravelmente. Muitos brasileiros passaram a buscar por uma vaga de emprego no exterior, os EUA é o principal destino dos engenheiros formados aqui.

Segundo o portal Via Carreira os Estados Unidos supre a carência de profissionais formados na área de engenharia através da oferta de vagas para estrangeiros. Diferenciais como pós-graduação, domínio da língua inglesa e experiência profissional, aumentam as chances de conquistar uma oportunidade de emprego num dos países mais desenvolvidos do mundo.

Já o site Trabalhando no exterior elaborou um ranking elencando os 8 melhores Países para Engenheiros trabalharem no Exterior, e o grande campeão foi o Canadá, sendo seguido por Nova Zelândia, Suíça, Alemanha, Inglaterra, Índia, Japão e China.

+ Conclusão

Em uma área tão interdisciplinar como a Engenharia de Produção, onde é necessário gerenciar recursos de todo tipo, do humano ao material, levando em conta princípios como a produtividade os currículos são bastante flexíveis em cada Universidade e a gama de opções chega próxima ao infinito!

O portal Estudar Fora preparou um Ebook detalhando tudo o que você precisa saber para estudar Engenharia no Exterior, vale a pena conferir.

Tags
Veja mais

Comentários no Facebook

Veja também

Close
Close